Com o advento da internet e a facilidade no momento de obtenção dos dados dos clientes, vieram também os hackers e pessoas mal intencionadas. Foi preciso que profissionais do setor criassem a segurança da informação, sendo uma espécie de válvula direcional e encaminha tudo o que é gerado na rede mundial de computadores para os locais certos.

Mas, ainda há inúmeros gestores que não têm ideia do que significa o conceito e muito menos de como utilizá-lo. Quer entender melhor e se preparar para os percalços que podem ocorrer? Então, vem com a gente!

O que é Segurança da Informação?

Ela abrange as ferramentas e os processos que as organizações usam para proteger suas informações. Isso inclui configurações de política que impedem que pessoas não autorizadas as acessem, além de ser um campo crescente e em evolução que resvala em redes e infraestrutura, até testes e auditoria.

As consequências dos incidentes de segurança incluem:

  • Roubo de informações privadas; 
  • Adulteração de dados e; 
  • Exclusão de dados. 

Os ataques podem interromper os processos, sejam eles referentes a um novo modelo de limpador enzimático ou documentos para o setor jurídico e etc., e prejudicar a reputação e os lucros de uma empresa.

As organizações devem garantir prontidão para detectar, responder e prevenir proativamente ataques como phishing, malware, vírus, insiders maliciosos e ransomware.

Como utilizar a Segurança da Informação?

Segurança dança dançando pode ser resumida em três tópicos fundamentais, que são a confidencialidade, a integridade e a disponibilidade. Ou seja, é notório que faça um trabalho íntegro para que todos esses fatores estejam em plenas condições para serem colocados em prática.

A partir de agora, vamos esmiuçar os detalhes de cada um deles. Está preparado?

  • Confidencialidade

A confidencialidade tem a ver com questões de divulgação de informações que não foram autorizadas por clientes, por exemplo. A LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) foi criada para que este tópico viesse à tona e pessoas, sejam elas físicas ou jurídicas, fossem penalizadas caso tais dados fossem roubados.

  • Integridade

Imagine ter seus dados alterados, sejam eles por conta de um erro de digitação ou pelo uso de má fé. A preocupação referente a isso é diária e, por tanto, vem sendo tópico de muitas discussões dentro do setor de Segurança da Informação.

  • Disponibilidade

Como o próprio nome já diz, é a máxima de deixar disponível uma informação que um cliente queira modificar ou, simplesmente, averiguar (e que seja dele mesmo e não de terceiros, obviamente). Fazer essa ligação, ou seja, quando você insere seu login e senha, é encaminhado para seu painel, é um cuidado necessário.

Tudo isso é tão fundamental quanto fazer o sensor de temperatura e umidade para seu controle de umidade.

Segurança da Informação x Cibersegurança

Segurança da Informação é diferente de Cibersegurança, apesar de muitos profissionais da área usarem os termos para distinguirem as mesmas coisas. Se estivéssemos numa cadeia empresarial, a SI seria ‘chefe’ da Cibersegurança.

E, além disso, outros ‘funcionários’ seriam a Segurança Física e de Terminais, bem como a Criptografia de Dados, só para citar alguns. Quer mais? Se houver desastres naturais ou falhas no servidor, é ela quem garante a eficácia.

Em contrapartida, a Cibersegurança e a Segurança de Dados se relacionam firmemente com prevenção e mitigação dessa exposição, seja ela por meios acidentais ou quando envolve hackers e vírus.

Gostou do conteúdo? Conte para gente nos comentários e não deixe de acompanhar as novidades no blog e compartilhar nas redes sociais. 

Este artigo foi produzido pela equipe do Soluções Industriais.